• Serviço Discreto

    Embalagem e Facturação Discreta e Simples

  • Envio grátis para Portugal em encomendas acima de 50€

    Escolhe o seu dia de preferência

  • Protecção dos Dados de Clientes

    Os seus dados estão seguros e protegidos connosco

Molusco Contagioso: O que é? Sintomas & Tratamentos

O tratamento de molusco contagioso pode ajudar a acelerar a taxa que a infecção de molusco contagioso leva para sair do seu corpo, tal como prevenir que espalhe esta doença a outros. Pode procurar um tratamento de molusco contagioso do seu médico, que poderá usar nitrogénio líquido para congelar as feridas de molusco contagioso para matar as células, mas isto poderá levar a cicatrizes. Alternativamente, pode tratar-se o molusco contagioso...

Molusco Contagioso

O nome parece assustador e pode deixar em alarme qualquer um. Trata-se de uma infecção viral mas, no entanto, o próprio nome e a configuração dos sintomas leva a que muitas pessoas acreditem que se trata de um infecção causada por fungos. O molusco contagioso ou molluscum contagiosum é, tal como o nome indica, bastante contagioso e afecta a pele humana, sendo frequente em crianças (mas também é encontrado em adultos). Os sintomas são pequenos nódulos na pele que podem facilmente ser confundidos com outras infecções, como é o caso das verrugas.

Para saber reconhecer o molluscum contagiosum é preciso saber quais os sinais e os sintomas e perceber como se comporta esta doença para a tratar da melhor forma possível e natural.

O que é o molusco contagioso?

O Molluscum Contagiosum é uma infecção viral muito comum em crianças mas que também pode ser encontrada em adultos. O vírus responsável pelo molluscum contagiosum é um vírus da família dos poxvírus (o maior tipo de vírus já identificado). O vírus do molusco contagioso apresenta ainda quatro subtipos, sendo o subtipo 1 o mais prevalente e o subtipo 2 o mais frequente em adultos.

O aspecto desta infecção são umas pequenas bolhas - esbranquiçadas ou cor de rosa. Não incomodam pelas dores - porque habitualmente não causam dor - incomodam sim pelo aspecto e muitas vezes pela comichão. Muitas vezes, as bolhas causadas pelo molusco contagioso são confundidas com verrugas.

O molusco propaga-se através do contacto directo da pele ou então através da partilha de toalhas, panos, objectos ou brinquedos infectados - por isso a frequencia do molluscum em crianças, especialmente aquelas que têm dermatite atópica. Além das crianças, também se encontram em risco pessoas cujo sistema imunitário se encontra, por algum motivo, enfraquecido. Ainda que seja uma infecção que possa acontecer em qualquer idade, é muito mais comum em crianças. Oito em cada 10 casos de molluscum contagiosum ocorre em pessoas com idade inferior a 15 anos, sendo muito frequente em crianças entre um e quatro anos de idade.

Molusco Contagioso: Diagnóstico

Sinais e Sintomas do Molluscum

O molusco contagioso (MC) provoca o aparecimento de altos ou elevações na pele, sendo por vezes feito um diagnóstico errado, trocando-o por verrugas, doenças sexualmente transmissíveis como o herpes, varicela ou até mesmo o cancro de pele. Os sinais desta doença manifestam-se normalmente dentro de 7 semanas após a exposição ao vírus e, embora não seja muito severo, o vírus não deixa de ser incómodo, até porque se não for tratado os sintomas podem durar meses. Enquanto o vírus não for eliminado, a pessoa infectada pode contagiar qualquer pessoa, sendo importante haver imenso cuidado a lidar com a pessoa infectada, para evitar o perigo de contágio.

Sintomas mais comuns

  • Pequenos alto de cor da pele ou cor rosada na pele. Os altos tendem a ser arredondados, em forma de cúpula, firmes e suaves no topo. Eles podem passar despercebidos por se matizarem na pele, mas geralmente podem ser vistos devido a uma pequena mossa no topo. O molusco pode por vezes ser diagnosticado como verruga e vice-versa, devido a ambos terem um aspecto muito semelhante.
  • Na maior parte dos casos de MC, desenvolvem-se cerca de 10 a 20 altos na pele. As pessoas que têm um sistema imunitário baixo devido a outras doenças, tais como doença autoimune ou vírus como o da SIDA, podem desenvolver mais altos.
  • Comichão e desconforto na pele.
  • Sensibilidade ao calor e ao toque.
  • Pessoas que têm outros tipos de doenças de pele, como o eczema ou dermatite, podem desenvolver sintomas mais severos do Molluscum. Quando o eczema ocorre ao mesmo tempo que o molusco contagioso podem aparecer “erupções eczematosas”, também chamadas de “molluscum eczema”.

Áreas do corpo susceptíveis ao molusco

As áreas onde os sintomas do molusco se manifesta são geralmente a cara, os membros, peito e qualquer outra parte do corpo. Algumas pesquisas mostram que as áreas comunas mais afectadas nos adultos são a cara, pescoço, axilas, braços, mãos, genitais, abdómen e interior das coxas.

Nos casos em que um adulto sofre de molusco contagioso nos genitais, poderá ser diagnosticado como doença sexualmente transmissível, sendo muito importante obter o diagnóstico certo para poder efectuar o tratamento correcto e assim eliminar o vírus o mais rápido possível.

Dicas para não agravar os sintomas do Molluscum Contagiosum

As lesões na pele causadas pelo vírus tendem a dão comichão, a ser desconfortáveis e incómodas, especialmente quando aparecem em áreas que implicam a pele roçar com pele, como a área genital e axilas. Porém, por muito que esteja a sofrer, é importante ler algumas recomendações para não agravar a sua situação:

Não Coçar

Dentro das lesões do Molluscum está um líquido que representa o próprio vírus, sendo normal provocar imensa comichão. É importante notar que não pode coçar, espremer ou picar os altos uma vez que isto irá piorar e alastrar para outras partes do corpo, estando assim a re-infectar-se com o vírus. Também irá provocar sangramento e irritação o que irá tornar mais difícil para a cicatrização dos altos, podendo prolongar a duração do tempo que o vírus permanece contagioso. É importante relembrar:

  • Não coce;
  • Mantenha a sua pele limpa e hidratada;
  • Mantenha as mãos afastados dos altos para prevenir cicatrizes;
  • Use roupas que cubram as áreas afectadas da pele para evitar esfregar os altos contra outras pessoas ou roupas.
  • Não depile a área da sua pele que tem altos activos e evite usar produtos agressivos, como loções ou produtos de limpeza, até que as lesões passem;
  • Lave a sua pele com água morna e um sabonete natural, como por exemplo o sabonete de Manuka;
  • Evite produtos que contenham perfumes, tintas ou químicos fortes nas roupas e em si, o que poderá agravar a comichão e irritação.

Melhorar o sistema imunitário

Caso as suas defesas corporais estejam em baixo, o molusco contagioso vai demorar mais tempo a passar, podendo demorar até meses para se ver livre do vírus. Ter a sua imunidade em baixo é perigoso em vários aspecto, e portanto é crucial melhorar as funções do sistema imunitário e dar um impulso ao seu corpo para que este consiga proteger-se e combater os vírus. Veja como pode melhorar as defesas do seu sistema imunitário:

  • Tenha uma alimentação saudável e rica em nutrientes, especialmente alimentos ricos em antioxidantes como vegetais e frutas. Coma alimentos probióticos que são igualmente benéficos para a saúde do sistema digestivo e reduzem as reações inflamatórias;
  • Evite alimentos inflamatórios, incluindo comidas processadas, açúcares, grãos refinados, óleos vegetais processados, alimentos embalados, alimentos com adição de ingredientes sintéticos, carnes processadas e laticínios;
  • Beba muita água, entre 2 a 3 litros por dia;
  • Caso tenha carências alimentares, pondere tomar suplementos vitamínicos de Vitamina C, Zinco, Cúrcuma, Probióticos ou de Plantas Antivirais;

Quais são as causas?

Essencialmente, na causa do molusco contagioso está um vírus que se transmite através do contacto entre as pele, passando de pessoa para pessoa. Pode também acontecer a transmissão do vírus do molusco contagioso pela partilha de objectos infectados, por exemplo, toalhas previamente usadas por alguém com o vírus e depois tocadas pela pessoa que vai adquirir o vírus. É ainda possível que haja contágio através de relações sexuais, tratando-se por isso também de uma doença sexualmente transmissível.

Quando alguém entra em contacto com o vírus não é garantido que irão ter molusco contagioso uma vez que a maior parte das pessoas é imune ao vírus. O risco de se ter molusco contagioso aumenta, no entanto, por motivos de falta de higiene ainda em climas muito quentes.

Prevenir o Molluscum Contagiosum

Ainda que não se trate de um vírus e de uma infecção perigosa, o molluscum contagiosum é persistente e pode demorar algum tempo até estar completamente tratado pelo que o conselho é evitar o contágio. Desta forma para reduzir as hipóteses de vir a sofrer com este problema, siga os seguintes conselhos:

  • Evite o contacto directo com pessoas infectadas;
  • Evite relações sexuais desprotegidas;
  • Não partilhe toalhas, roupas e outros objectos com pessoas com molusco contagioso;
  • Mantenha as areas afectadas com molluscum tapadas;
  • Incentive as crianças a não coçarem o molusco para evitar a propagação a outras áreas da pele;

O molluscum é contagioso até que todas as bolhas tenham desaparecido. Contudo, no caso das crianças, o molusco contagioso não é motivo para as manter afastadas da escola, outras crianças ou atividades, pelo que a criança deverá levar a sua vida e rotinas normais.

No que diz respeito à alimentação não parece haver nenhuma dieta específica aconselhada quer para o tratamento como para a prevenção do molusco contagioso. No entanto, em caso de dúvida acerca da alimentação em caso de molluscum procure informar-se com o seu médico ou procure a ajuda de um nutricionista.

Tratar o Molluscum Contagiosum

Ainda que a infecção causada pelo molluscum contagiosum não seja considerado um problema ou um perigo de saúde pública, deverá ser tratado e deverá desaparecer num período entre os 12 e os 18 meses. Existem alguns tratamentos e produtos disponíveis para tratar o molusco contagioso mas, em alguns casos, trata-se de uma infecção que pode desaparecer sozinha, sem necessidade de recorrer a tratamento específico. Pode optar por tratar o molusco contagioso com homeopatia, uma vez que poderá acompanhar o processo e perceber se há necessidade de adaptar o tratamento ao longo do tempo e conforme a evolução das lesões.

Zymaderm para Molusco Contagioso é um tratamento tópico de fácil aplicação e indolor. Um produto clinicamente comprovado para ajudar a recuperar e tratar as lesões de molusco contagioso, tornando-o no tratamento perfeito para os homens, mulheres e crianças que sofrem com esta infecção. Basta colocar o produto directamente na zona afectada, duas vezes ao dia, utilizando o pincel de aplicação incorporado na tampa.

Mas a homeopatia para o molluscum contagiosum não se fica por aqui. Existem produtos que ajudam a tratar o molusco contagioso com homeopatia. O Sabonete de Manuka é um sabonete homeopático que se dedica ao tratamento de vários problemas de pele. Com o uso de apenas ingredientes naturais, de modo a não danificar a pele já afectada, este complemento é rico em óleos essenciais, tem efeito calmante para hidratar e deixar a pele macia, de modo a suavizar os sintomas de comichão e irritação causados pelo molluscum contagiosum.

Por vezes, o tratamento do molluscum contagiosum ultrapassa o período considerado normal uma vez que novas bolhas de molluscum se podem formar devido ao acto de coçar as bolhas e depois tocar noutras parte do corpo. Em casos raros, a infecção por molusco contagioso pode durar anos até desaparecer. No entanto, após um episódio de molluscum contagiosum ter desaparecido o paciente deverá ficar imune ao vírus sendo que novas situações serão muito raras. Quando devidamente tratado não causa quaisquer complicações graves, podendo apenas existir a persistência de algumas pequenas lesões na pele.

Pode ainda acontecer, em alguns casos, que a pele próxima do molluscum contagiosum fique infectada com uma bactéria - nesses casos pode recorrer-se ao uso de antibióticos. Ainda em casos mais raros, pode acontecer o aparecimento numa pálpebra, no olho, o que poderá resultar numa inflamação do olho - nestes casos e noutros que tiver sintomas nos olhos devido ao molluscum contagiosum, deve procurar ajuda médica especializada para resolver a situação o mais rapidamente possível e evitar sofrer consequências de saúde mais graves.

Remédios caseiros

Ainda que possa tratar o molusco contagioso com homeopatia através de alguns medicamentos naturais, por que não dar uma hipótese ao que tem na despensa de casa e experimentar fazer os seus remédios caseiros para tratar o molusco?

Basta esmagar um alho e aplicar a pasta resultante directamente na zona afectada. Para melhorar o efeito, tape esta zona com um compressa. Deixe o alho atuar durante algumas horas e, antes do banho, remova a compressa e lave suavemente a zona com bolhas. Ao fim de algumas semanas deverá notar resultados*.
Vinagre de maçã: Todas as noites, antes de dormir, aplique um pouco de vinagre de maçã nas zonas afectadas pelo molluscum, usando um pouco de algodão embebido neste líquido directamente nas bolhas. Trata-se de um potente produto antibacteriano que vai ajudar a tratar as lesões do molusco contagioso. Para proteger as bolhas durante a noite pode aplicar um curativo. Tome um banho suave na manhã seguinte.
Óleo de Côco: Basta aplicar o óleo de coco directamente sobre as áreas afectadas entre três a quatro vezes por dia. Ao fazer isto ajudará a diminuir a irritação, prurido e inflamação causados pelas bolhas da infecção. O óleo de coco é benéfico à saúde da pele por ter propriedades anti inflamatórias, antifúngicas, antibacterianas e ainda antivirais. Poderá não só ajudar no tratamento homeopático do molusco contagioso como de outras irritações da pele.
Sal marinho: Fazer uma esfoliação suave com sal do mar é um dos remédios caseiros mais naturais para o molluscum contagiosum. Para isso deve misturar ao sal marinho um pouco de mel e azeite e depois fazer uma massagem suave nas zonas a tratar por alguns minutos. Faça esta esfoliação antes do banho. Depois, no banho, procure aplicar água fria ou morna nas lesões do molusco contagioso.