Linha aberta das 9h - 19h, Seg. a Sex

(+351) 308 804 992 LIVE CHAT
  • Serviço Discreto

    Embalagem e Facturação Discreta e Simples

  • Envio grátis para Portugal em encomendas acima de 50€

    Escolhe o seu dia de preferência

  • Os nossos clientes adoram-nos!

    Avaliações independentes pelo TrustPilot

Contraceptivos

Melhore a sua selecção

No que diz respeito à prevenção de doenças sexualmente transmissíveis (DST's) e a evitar uma gravidez indesejada, os preservativos continuam a ser a melhor defesa. Escolher o preservativo certo é importante, e nunca deverá acomodar-se com preservativos menos bons quando quer proteger a sua saúde. Veja a nossa gama de contraceptivos aqui na ShytoBuy.pt
No que diz respeito à prevenção de doenças sexualmente transmissíveis (DST's) e a evitar uma gravidez indesejada, os preservativos continuam a ser a melhor defesa. Escolher o preservativo certo é importante, e nunca deverá acomodar-se com preservativos menos bons quando quer proteger a sua saúde. Veja a nossa gama de contraceptivos aqui na ShytoBuy.pt
Preservativos EXS | Sexo Seguro e Divertido Por EXS Mais Informação
9.95€        Em Stock

 

Adicionar ao Carrinho

Contraceptivos

Os métodos contraceptivos existem desde que há memória e desde sempre desempenharam um papel fundamental na vida das pessoas, especialmente para evitar gravidezes indesejadas. A contracepção foi evoluindo e foi-se adaptando às necessidades dos utilizadores e dos casais ao longo dos anos e, hoje em dia, é essencial para promover a saúde sexual e reprodutiva, o desenvolvimento social e é a garantia para a autonomia dos cidadãos no que diz respeito a este aspecto da vida.

Preservativo, pílula, dispositivo intrauterino, anel vaginal… os métodos contraceptivos são muitos e cada um deve optar por aquele que melhor se adapta ao seu estilo de vida e necessidades.

Além de ser um importante aliado na fertilidade do casal, alguns métodos anticoncepcionais também representam um método essencial para evitar o contágio de doenças e infecções sexualmente transmissíveis.

Por que devemos usar contraceptivos?

Segundo a Sociedade Portuguesa da Contracepção, 94% das mulheres portuguesas com vida sexual ativa usam contracepção, sinais positivos de que as pessoas estão conscientes que devem cuidar da sua saúde reprodutiva.

O uso dos métodos contraceptivos vai muito mais além do controlo da reprodução, podendo ser usados para controlar os níveis hormonais femininos (no caso de contraceptivos hormonais como algumas pílulas), responsáveis por alguns sintomas de pele e flutuações de peso, por exemplo.

No entanto, alguns contraceptivos, como é o caso da pílula hormonal, podem perder eficácia em algumas situações específicas. Alguns antibióticos podem interferir com o efeito da pílula pelo que é de extrema importância que as mulheres informem o médico que estão a fazer a pílula na altura da prescrição de antibióticos.

A grande maioria dos métodos anticoncepcionais são destinados a ser usados por mulheres mas, no entanto, a contracepção deve ser responsabilidade de ambos os parceiros. O casal deve ser, no todo, responsável pelo controlo da natalidade e pelo controlo das doenças sexualmente transmissíveis.

DST’s - Doenças sexualmente transmissíveis

Ainda que exista muita informação sobre este tema, trata-se de um assunto delicado porque continua a existir muito desconhecimento e práticas de risco. Sabemos que existem doenças sexualmente transmissíveis e que devemos ter cuidados na prática sexual para evitar o contágio mas nem sempre colocamos esses cuidados em prática no dia a dia.

HPV

Esta doença sexualmente transmissível nem sempre causa sintomas, principalmente nos homens, o que faz com que nem sempre se desconfie da infecção e que algo não está bem com a saúde. No entanto, mesmo numa fase inicial é possível a transmissão do vírus ao parceiro. Trata-se de um vírus extremamente resistente que pode sobreviver fora do hospedeiro.

O HPV afeta um elevado número de adultos sexualmente ativos, com mais de 20% dos homens e 40% das mulheres. Na mulher, o Vírus do Papiloma Humano pode causar cancro do colo do útero, verrugas que podem aparecer na vulva, colo do útero, coxas, ânus, reto, ou uretra, condilomas ou lesões benignas da orofaringe mas não é uma doença exclusivamente feminina, como se pensou durante muito tempo.

Cerca de 80% da população mundial terá pelo menos uma infecção por HPV na vida - o que mostra o quão frequente é este vírus - reforçando a necessidade de prevenir as doenças sexualmente transmissíveis através do uso de métodos contraceptivos indicados. A par da proteção nas relações sexuais, existe atualmente uma vacina que protege para os quatro serotipos mais frequente do vírus. Esta vacina é eficaz em mulheres até aos 45 anos e mesmo quem tem o vírus pode ser vacinado. Além disso, esta vacina também pode ser administrada a homens dos nove aos 26 anos.

As principais complicações do HPV no homem são:

  • Verrugas Anogenitais
  • Cancro do Pénis
  • Cancro do Anus
  • Carcinoma da Cabeça e Pescoço (Cavidade Oral e Orofaringe)
  • Infertilidade

Além do HPV, as DST’s mais conhecidas são o VIH/Sida, Clamídia, Gonorreia, Hepatite B, Sífilis, Herpes Genital e Tricomoníase.

Algumas destas doenças venéreas não exigem penetração sexual para que haja contágio. Algumas destas doenças sexualmente transmissíveis podem ser transmitidas através de um contato corporal íntimo. Além disso, como no caso do HPV a pessoa infectada pode não ter sinais exteriores da doença.

Vias de transmissão:

  • Relações sexuais vaginais não protegidas entre homem e mulher;
  • Relações sexuais anais não protegidas entre mulher e homem;
  • Relações sexuais anais não protegidas entre homem e homem.

As relações orais não protegidas assim como alguns comportamentos (partilha de brinquedos sexuais, por exemplo) representam também risco de transmissão de doenças sexialmente transmissiveis.

Sempre que há o início de uma nova relação sexual importa falar com o parceiro sobre relações anteriores de forma a prevenir a contração de uma DST. Sempre que tiver dúvidas sobre a possível existência de uma doença ou infecção sexualmente transmissível, deve procurar ajuda de um profissional de saúde para assegurar o melhor acompanhamento possível.

Sinais e sintomas de DST’s:

  • Corrimento vaginal anormal (com mau cheiro);
  • Vermelhidão, manchas brancas, bolhas, verrugas ou vesículas nos órgãos genitais, ânus ou boca;
  • Dor ou sensação de queimadura ao urinar;
  • Dores difusas no baixo ventre;
  • Ardor ou dor durante as relações sexuais;
  • Febre.

O tratamento das DST deve ser feita ao casal e não apenas a uma das pessoas, mesmo que apenas um dos parceiros tenha sintomas. Uma DST não tratada pode trazer consequências graves a longo prazo (infertilidade, sequelas no aparelho urinário…).

Métodos contraceptivos

Preservativo

O preservativo masculino é o único método contraceptivo completamente masculino que, quando é usado correctamente tem uma taxa de eficácia de 98%. Mas esta eficácia pode descer até aos 85% quando não é colocado de forma adequada, quando é rasgado ou quando não é retirado imediatamente após a relação sexual.

Pílula

Pequeno comprimido (toma oral) com dose hormonal que deve ser tomado diariamente de acordo com o ciclo menstrual. Quando bem utilizada tem uma eficácia de 99,7%. No entanto, quando não é tomada com disciplina esta eficácia pode descer para os 92%. Além disso, vómitos, diarreias e alguns medicamentos podem interferir com a eficácia da pílula.

Anel Vaginal

Trata-se de um anel de plástico que é introduzido na vagina a cada ciclo menstrual. À semelhança da pílula convencional, o anel vaginal vai libertando gradualmente uma carga hormonal que regula a fertilidade.

Penso Transdérmico

É um quadrado autocolante com cerca de 4,5cm de cada lado. Deve ser aplicado sobre a pele, limpa e sem cremes, funcionando de forma semelhante ao anel vaginal.

Progestrona injectável

São injecções desta hormona feminina que devem ser tomadas em ambiente médico (por ginecologistas) periodicamente (todos os meses ou a cada três meses). A eficácia pode chegar aos 100%.

Diafragma

Estrutura de látex ou silicone que é inserido na vagina impedindo a entrada do esperma no colo do útero. É eficaz em 84% dos casos e é o ginecologista que deve determinar o tamanho a ser utilizado por cada mulher.

DIU

Dispositivo intra uterino. É colocado no útero por um ginecologista e provoca alterações no corpo da mulher de forma a impedir a gravidez. O DIU mais convencional é feito de cobre e impede a gravidez através da inflamação. Existe ainda o SIU que funciona da mesma forma mas vai libertando hormonas. É fiável em mais de 99% dos casos.

Preservativo feminino

É muito eficaz para a prevenção de doenças sexualmente transmissíveis mas menos eficaz que o preservativo masculino para evitar uma gravidez indesejada. Trata-se de um dispositivo lubrificado que plastifica as paredes da vagina e da vulva durante a relação sexual.

Implante subdérmico

Dispositivo que é introduzido por baixa da pele, no antebraço e que vai libertando hormonas gradualmente. Trata-se de um dos métodos anticoncepcionais mais cómodos uma vez que a sua eficácia chega aos 100% e tem uma duração de entre três a cinco anos.

Pílula do dia seguinte

É altamente agressivo para o organismo e há até quem a considere uma pílula abortiva. Apenas evita uma gravidez indesejada em 85% dos casos. Atenção: este método contraceptivo deve apenas ser utilizado em casos de emergência.

Preservativos

Usar um método contraceptivo foi, durante muitos anos, uma tarefa atribuída às mulheres. No que toca aos métodos anticoncepcionais masculino só existem dois: o preservativo masculino e a vasectomia ou esterilização masculina. Como uma gravidez indesejada pode afectar não apenas a mulher mas como os homens, é normal que eles se preocupem cada vez mais com o uso de preservativo. Além disso, com o crescente das DST, os homens estão mais preocupados com este aspecto da vida sexual.

Os preservativos são usados desde há, pelo menos, 400 anos. Desde o século XIX que são um dos mais comuns métodos contraceptivos à escala global.

O preservativo é um método contraceptivo de barreira que pode ser utilizado durante a relação sexual. O seu objectivo é reduzir a probabilidade de haver uma gravidez indesejada por impedir que os espermatozóides presentes no esperma alcancem o óvulo no aparelho reprodutor feminino e o fecunde. O preservativo masculino reduz ainda as hipóteses de contrair doenças sexualmente transmissíveis, como o HPV ou o VIH.

Este método contraceptivo deve ser colocado no pénis, quando este está erecto, formando assim a barreira física, impossibilitando o contacto directo entre o pénis e a vagina ou ânus do parceiro.

As principais vantagens do preservativo masculino são a facilidade de utilização e o preço acessível. Praticamente não existem efeitos secundários associados à utilização deste método anticoncepcional. Quando utilizado de forma correcta, o preservativo tem uma taxa de eficácia muito satisfatória.

Escolher o preservativo ideal para si

Deve escolher o método contraceptivo que melhor se adapta ao seu estilo de vida e necessidades. O preservativo continua a ser um dos métodos mais populares pelo que sugerimos a gama de Preservativos EXS , feitos de látex 100% natural. Disponíveis em vários modelos, estes preservativos são seguros e têm um ajuste anatómico, sendo fáceis de colocar e encaixam-se em qualquer homem.

O preservativo masculino, geralmente, é fabricado em látex, um material bastante resistente, mas existem preservativos fabricados com outros materiais para o caso das pessoas que sofrem com alergia a preservativos comuns.

Que materiais de preservativos existem?

Látex Natural:

Tem propriedades elásticas e resistentes, podendo ser esticado até 800% antes de romper. Estes preservativos não são recomendados para utilizar com lubrificantes à base de óleo.

Sintéticos:

Os materiais mais comuns para o fabrico de preservativos, à excepção do látex, é o poliuretano e o poliisopropeno. Têm, geralmente, a mesma espessura que os preservativos de látex e têm a vantagem de não serem tão sensíveis ao calor. Além disso, podem ser utilizados com lubrificantes à base óleo. São, no entanto mais caros que os preservativos comuns, fabricados em látex.

Com espermicida:

Tratam-se de preservativos comuns, de látex, mas com a adição de uma pequena quantidade de espermicida. Os benefícios destes preservativos face aos comuns ainda não foram verificados. Estes têm menor prazo de validade e podem até causar infecções no trato urinário da mulher.

Com texturas:

São preservativos com texturas desenhadas à superfície, possuindo pequenas saliências que proporcionam maior sensação de prazer para ambos os parceiros. Estas saliências nestes preservativos estão dispostos em locais específicos e podem estar na parte interior, exterior ou em ambos os lados.

Com efeito retardante:

este tipo de preservativo possui um efeito retardante para a ejaculação por ter um anestésico misturado com o lubrificante.

*É importante notar que os resultados dos nossos produtos vão variar de indivíduo para indivíduo. Deve sempre usar ou tomar os nossos produtos em conjunto com uma dieta equilibrada e uma prática regular de exercício físico. Todos os comentários de clientes encontrados neste website, são verdadeiros.

Newsletter
Registe-se para Ganhar Ofertas Especiais