Página Principal > Candidíase

Candidíase

A candidíase é um problema comum entre as mulheres, e pode ser bastante incómoda e dolorosa. Aprenda mais sobre esta doença, e encontre aqui produtos naturais para ajudar a combater e tratar a candidíase*.

Naturasil Candida Clear | Tratamento da Cândida

  • Ajuda a tratar a cândida*
  • Ajuda a tratar infecções fúngicas sistémicas*
  • Ajuda a tratar as infecções por leveduras*
  • Sem efeitos secundários
  • Não agressivo


60.49 €
Native Remedies Candidate

  • Com ingredientes antifúngicos naturais
  • Reduz incómodos do fungo cândida
  • Promove os probióticos saudáveis
  • Trata a candidíase


37.99 €

Candidíase

Sabia que cerca de 75% das mulheres vão ter pelo menos um episódio de candidíase na vida? Mais! Entre 40 a 45% das mulheres vão ter dois ou mais episódios de candidíase na vida.

É verdade. A candidíase é muito comum e afecta sobretudo mulheres. Trata-se de uma infecção muito incomodativa com sintomas difíceis de controlar.

Sabe o que é a candidíase e qual é o fungo da origem desta infecção? Sabe reconhecer os sintomas e sabe o que fazer para o tratamento da candidíase?

O que é a candidíase?

A candidíase é uma infecção provocada por um fungo. O fungo que está na origem da infecção por candidíase é a Candida, habitualmente a Candida Albicans.

Este fungo pode ser encontrado na orofaringe humana e está presente em cerca de 30 a 55% dos adultos (adultos jovens e saudáveis) e pode ser ainda encontrado em mais de metade da flora normal das fezes.

Em condições normais de saúde, a presença do fungo Candida não provoca qualquer alteração no organismo, no entanto, quando o indivíduo se encontra com o sistema imunitário fragilizado, pode surgir a infecção por candida. É por esta razão que o fungo responsável pela infecção da candidíase é considerado oportunista.

A candidíase é uma infecção muito comum nos genitais, afectando a vagina e o pénis, recebendo o nome de candidíase genital ou candidíase vaginal no caso feminino. Trata-se de um fungo que reside nos intestinos e na pele. A proximidade anatómica do ânus e da zona genital pode facilitar a propagação de Candida aos órgãos genitais.

Sintomas de candidíase

Habitualmente a candidíase dá bastantes sintomas, sendo que, na maior parte das vezes são perfeitamente perceptíveis e relativamente fáceis de identificar. No entanto, em alguns casos, uma pessoa pode ter candidíase e não ter quaisquer sintomas. Nesses casos, o paciente com candidíase é portador assintomático da infecção. Isso por acontecer entre 10 a 20% das mulheres mas este valor pode subir para os 40% durante o período de gravidez.

Os sintomas mais comuns de candidíase são intensa comichão, muita vermelhidão e placas esbranquiçadas, afectando principalmente a boca e a área genital, quer de mulheres como de homens. Contudo, o fungo da candida não é normalmente de transmissão através do contacto sexual.
Os sintomas da candidíase podem variar consoante o tipo e a zona onde a infecção se instala.
No caso da candidíase vaginal há muita comichão na zona da vagina. É normal que as mulheres com candidíase vaginal tenham um corrimento anormal, de cor branca e em pequenos grumos (com um aspecto de nata de leite) e com um odor muito forte e desagradável. Além disso, em casos de candidíase vaginal a mulher pode sentir dor, desconforto ou ardor durante as relações sexuais.
No caso dos homens, a candidíase não costuma ser conhecida por dar muitos sintomas. Quando há sintomas estes costumam destacar-se pela comichão e um ligeiro inchaço no pénis. Além disso, o homem com candidíase costuma ter queixas de pequenas manchas no pénis, ardor e desconforto ao urinar e dor durante o acto sexual. Podem ainda aparecer pequenas feridas com aspecto esbranquiçado na glande do pénis.
Quando se trata de candidíase oral as vítimas costumam ser bebés e crianças pequenas mas este tipo de candidíase também pode afectar adultos cujo sistema imunitário se encontra enfraquecido. Neste caso, a infecção por candida é mais comumente chamada como sapinhos. A característica mais forte da candidíase oral são umas placas esbranquiçadas na boca (na língua, céu da boca e ainda na garganta), quase como farrapos de leite. Além disso, as queixas também se estendem a alguma ardência na boca e ainda dificuldades em engolir. No caso dos bebés, os pais devem estar atentos aos sintomas uma vez que os mais pequenos não conseguem descrever o que sentem de forma a ser mais fácil chegar a um diagnóstico.
É também possível que existam manifestações de candidíase na pele. Quando a infecção causada pelo fungo Candida afecta o maior órgão do corpo, os sintomas costuma ser de comichão e vermelhidão, essencialmente em zonas da pele com dobras como as axilas, a parte de trás dos joelhos, e outras zonas semelhantes.
Por fim, apesar de ser normal a existência deste fungo no trato intestinal, pode haver candidíase no intestino. Neste caso, os sintomas de candidíase mostram-se através de pequenos restos esbranquiçados que estavam nas paredes do intestino mas que se soltam acabando por ser libertadas com a defecação.

Os sintomas mais comuns de candidíase são intensa comichão, muita vermelhidão e placas esbranquiçadas, afectando principalmente a boca e a área genital, quer de mulheres como de homens. Contudo, o fungo da candida não é normalmente de transmissão através do contacto sexual.

Os sintomas da candidíase podem variar consoante o tipo e a zona onde a infecção se instala.

No caso da candidíase vaginal há muita comichão na zona da vagina. É normal que as mulheres com candidíase vaginal tenham um corrimento anormal, de cor branca e em pequenos grumos (com um aspecto de nata de leite) e com um odor muito forte e desagradável. Além disso, em casos de candidíase vaginal a mulher pode sentir dor, desconforto ou ardor durante as relações sexuais.

No caso dos homens, a candidíase não costuma ser conhecida por dar muitos sintomas. Quando há sintomas estes costumam destacar-se pela comichão e um ligeiro inchaço no pénis. Além disso, o homem com candidíase costuma ter queixas de pequenas manchas no pénis, ardor e desconforto ao urinar e dor durante o acto sexual. Podem ainda aparecer pequenas feridas com aspecto esbranquiçado na glande do pénis.

Quando se trata de candidíase oral as vítimas costumam ser bebés e crianças pequenas mas este tipo de candidíase também pode afectar adultos cujo sistema imunitário se encontra enfraquecido. Neste caso, a infecção por candida é mais comumente chamada como sapinhos. A característica mais forte da candidíase oral são umas placas esbranquiçadas na boca (na língua, céu da boca e ainda na garganta), quase como farrapos de leite. Além disso, as queixas também se estendem a alguma ardência na boca e ainda dificuldades em engolir. No caso dos bebés, os pais devem estar atentos aos sintomas uma vez que os mais pequenos não conseguem descrever o que sentem de forma a ser mais fácil chegar a um diagnóstico.

É também possível que existam manifestações de candidíase na pele. Quando a infecção causada pelo fungo Candida afecta o maior órgão do corpo, os sintomas costuma ser de comichão e vermelhidão, essencialmente em zonas da pele com dobras como as axilas, a parte de trás dos joelhos, e outras zonas semelhantes.

Por fim, apesar de ser normal a existência deste fungo no trato intestinal, pode haver candidíase no intestino. Neste caso, os sintomas de candidíase mostram-se através de pequenos restos esbranquiçados que estavam nas paredes do intestino mas que se soltam acabando por ser libertadas com a defecação.

Causas

Na causa da infecção da candidíase está o tal fungo oportunista que vive no nosso organismo e que, na maior parte das vezes, não provoca quaisquer manifestações. O nosso sistema imunológico, na maioria dos casos, é suficientemente competente para controlar a situação. No entanto, quando este se encontra fragilizado (devido a uma gripe, por exemplo) pode haver infecção uma vez que não consegue impedir a proliferação exagerada do fungo da candida. Esta infecção pode também acontecer em situações de descontrolo hormonal, como é o caso de uma gravidez, sendo por isso muito elevado o número de mulheres grávidas com candidíase.

Quando se fala de candidíase vaginal ou genital, atribui-se a causa da sua alta frequência a um crescente elevado uso de medicamentos antibióticos, contraceptivos orais e ainda outros medicamentos que podem modificar a flora normal da vagina, o que vai, naturalmente criar condições para o crescimento do fungo. Ainda relacionado com a toma de medicamentos, alguns fármacos, como os corticosteróides ou a quimioterapia também podem influenciar o aparecimento de candidíase, mas com menos frequência.

Como se pega a candidíase?

A pergunta não pode ser feita desta maneira uma vez que a candidíase não é uma infecção que se pegue. Normalmente, uma pessoa não passa a infecção da candidiasis a outra. Para que um indivíduo desenvolva esta infecção é necessário que o fungo já se encontre no organismo e que existam condições favoráveis ao seu desenvolvimento.

Uma das formas de desenvolver candidíase está relacionada com a higiene. O fungo da candida vive no intestino e, nos casos de colonização deste fungo na vagina, pode haver migração do fungo na região perianal, através do períneo, para a vagina dando origem a candidíase vaginal. Isto pode acontecer nos casos em que a mulher se limpa de forma incorrecta após a defecação. Se a mulher se limpar de trás para a frente (do ânus para a vagina) vai acabar por levar germes e bactérias da região anal para a vaginal favorecendo não só a candidíase vaginal como também a infecção urinária.

Só em alguns casos é que a candidíase pode ser passada de uma pessoa para a outra. Isto pode acontecer em casos de sexo anal e sexo oral desprotegidos, uma vez que este fungo vive na boca e no trato intestinal. Quando há uma infecção por candida activa na vagina ou no pénis pode ser possível ainda a transmissão através do sexo vaginal, não querendo isto significar forçosamente que a transmissão seja eficaz. Quando um dos parceiros está infectado o sistema imunitário do outro parceiro pode ser eficiente e evitar a colonização pelo fungo da candida. Apesar de haver a hipóteses de transmissão da candidíase por via sexual, esta não é considerada uma doença sexualmente transmissível. Assim, o número de parceiros sexuais não tem necessariamente influência para o desenvolvimento da candidíase, na mesma medida que pessoas celibatárias têm os mesmos riscos de adquirir e desenvolver uma infecção pelo fungo da candida.

De qualquer forma, confira alguns factores de risco para o aumento da frequência de infecções por candidíase e candidíase vaginal:

  • Relações sexuais com parceiros desconhecidos e/ou contaminados;
  • Uso frequente e incorrecto de antibióticos;
  • Uso frequente de anticoncepcionais hormonais;
  • Estados hormonais alterados (gravidez, menstruação…);
  • Doenças que baixem a eficácia do sistema imunitário (HPV, Sida, lúpus, …);
  • Uso continuado de pensos diários;
  • Uso frequente de roupas muito apertadas ou húmidas e molhadas;
  • Fazer higiene íntima mais de duas vezes ao dia;

Tratamento natural

Antes de avançar para o tratamento há que confirmar o diagnóstico de candidíase e este pode ser feito de forma rápida e eficaz através da colheita de amostras da vagina ou do pénis, que são posteriormente examinadas através do microscópio. Este tipo de exame de diagnóstico é especialmente necessário quando os episódios de candidíase vaginal são frequentes. Através desta análise e diagnóstico médico consegue estabelecer-se a frequência dos episódios da infecção por candida e apostar numa estratégia de tratamento da candidíase mais segura e mais eficaz.

Quando a candidíase não é genital e, por outro lado, se encontra noutras partes do corpo, existem outros meios de diagnósticos que podem ser utilizados para definir a gravidade da infecção e traçar o melhor tratamento da candidíase.

Habitualmente, o tratamento da candidíase é feito através de medicamentos tomados por via oral, cremes, pomadas ou soluções para usar directamente na pele ou nas zonas afectadas. Dependendo da zona e do tipo da candidíase deve procurar a especialidade médica que melhor o pode ajudar: dentista, dermatologista, urologista ou ginecologista.

Esta solução para o tratamento da candidíase ajuda a manter o fungo da cândida inactivo*. O Native Remedies Candidate é um tratamento natural que ajuda a promover a flora intestinal com probióticos saudáveis para o intestino*. Além disso, ajuda a reduzir os sintomas de comichão associados a um crescimento excessivo da cândida, reduzindo também os sintomas como a irritação e o prurido*.

O Naturasil Candida Clear é um produto 100% natural que ajuda a eliminar a Candida e dá um alívio sistémico às infecções fúngicas internas*. É um tratamento da candidíase totalmente seguro e livre de efeitos secundários*. Perfeito para aqueles que não querem usar medicamentos agressivos*, ajuda a dar alívio através de extratos de planta que combatem as infecções fúngicas*.

Em complemento ao tratamento da candidíase deve adoptar alguns comportamentos:

  • Não usar roupas interiores que não sejam de algodão;
  • Não fazer a higiene íntima com produtos que possam ser irritantes, optando por utilizar apenas água e um sabonete neutro ou próprio para a região íntima;
  • Evitar o abuso de pensos higiénicos e não usar pensos diários de forma continuada;
  • Tentar dormir sem cuecas sempre que possível;
  • Durante o tratamento, evitar relações sexuais desprotegidas;

Remédios caseiros

No caso de não querer abusar dos tratamentos convencionais ou, pelo contrário, sentir que precisa de um complemento para estes, pode optar por desenvolver os seus próprios remédios caseiros para o tratamento da candidíase.

  • Remédio caseiro para ela:

    Para a candidíase feminina, uma boa forma de combater a infecção é através de iogurte natural. Ao diminuir a acidez do ambiente vaginal, em combinação com o poder dos probióticos, o iogurte natural irá ajudar a parar o crescimento dos fungos que terão mais dificuldades em desenvolver-se com a falta de acidez.

    Para utilizar este remédio caseiro para a candidíase vaginal precisa apenas de um iogurte natural à temperatura ambiente e uma seringa (sem agulha). Basta utilizar a seringa para introduzir o iogurte no interior da vagina duas vezes por dia. Repita o processo durante três dias. Durante este período aconselha-se utilizar um penso diário para evitar sujar-se ou ficar com a roupa interior molhada.

  • Remédio caseiro para ele:

    No caso da candidíase genital no homem, pode optar pelo chá de uva-ursina. Pode ajudar o tratamento da candidíase peniana uma vez que faz com que diminua a reprodução do fungo da candida. Este remédio caseiro também pode ser utilizado por mulheres sendo mais eficaz para eles.

    Precisa apenas de duas colheres de chá de folhas de uva ursina e água. Basta ferver as folhas na água e deixar repousar o chá por cerca de cinco minutos. Depois coe o chá e beba. Deve fazê-lo três vezes por dia.